Mercado

Nova era da manufatura

Por: Diário do Grande ABC | Roberto dos Reis Alvarez - diretor executivo da Global Federation of Competitiveness Councils, pesquisador da ASU (Arizona State University) e pesquisador convidado pelo Observatório de Políticas Públicas, Empreendedorismo e Conjuntura da USCS (Universidade Municipal de São Caetano)        04/07/2019

O ‘renascimento industrial’ acontece em todo o mundo. Há crescimento exponencial de tecnologias como impressão 3D, análise de dados, materiais avançados, robótica, Inteligência artificial, biotecnologia e biomanufatura, blockchain, segurança cibernética, design e simulação digital, armazenamento de energia, computação de alta performance, interfaces da realidade aumentada e da realidade virtual e internet das coisas. O uso de algumas dessas tecnologias está previsto para crescer mais de 60% ao ano no período 2016-2021.

Regiões industriais, marcadas pelo modelo fordista de produção, como o Grande ABC, estão diante do desafio de se reinventarem neste novo mundo da manufatura.

Além dos Estados Unidos e da Alemanha, muitos outros países lançaram recentemente estratégias e políticas (avançadas) de manufatura. Todos eles combinam focos em áreas de manufatura tradicionais (por exemplo, vestuário) e emergentes (por exemplo, biomanufatura de órgãos humanos). A lógica é atualizar e transformar indústrias existentes, construir novas. Todos querem aproveitar o potencial da tecnologia para impulsionar a inovação, a criação de valor e o crescimento.


Continua depois da publicidade


Há dois objetivos principais: 1 – acelerar a adoção de tecnologias avançadas de manufatura e modelos de negócios, elevando os níveis de produtividade em toda a economia e; 2 – construir vantagem competitiva nas principais áreas tecnológicas e, assim, dominar os mercados futuros de tecnologia e soluções de hardware e software para a manufatura, como exemplifica o caso da plataforma Indústria 4.0, da Alemanha. O equilíbrio entre os dois varia de país para país. A ação do governo é importante para os países que perseguem ambos os objetivos. É particularmente destacada no segundo caso.

O primeiro objetivo é comum a todas as nações. A tecnologia está cada vez mais acessível. Ela não é o gargalo. A principal restrição repousa na disponibilidade de competências na força de trabalho. Nos países emergentes, o acesso ao capital, às condições do mercado e a expertise em gestão de negócios também devem ser considerados.

Os governos podem fazer muitas coisas para acelerar a transformação da manufatura: treinar trabalhadores e gerentes, criar incentivos, investir em infraestruturas compartilhadas, disseminar conhecimento, catalisar conexões, e até mesmo fornecer capital (importante em países emergentes). Quanto mais avançadas forem as economias, menos ação direta do governo é necessária. Parcerias com organizações do setor privado são sempre uma opção.

O segundo objetivo é mais difícil de ser realizado. Aí reside a ‘verdadeira competição’ pela liderança. A questão é se os países usarão ou criarão tecnologias (e as empresas) que moldarão a manufatura (e a economia) no século XXI e adiante. As restrições encontram-se ligadas aos investimentos em ciência e tecnologia e à existência (ou não) de estruturas de negócios globais. Investimento do setor público é de extrema relevância.

Os países precisam desenvolver capacidades e controlar ativos-chaves de pesquisa e negócios a fim de serem atores dominantes na manufatura avançada. É impossível hoje separar a manufatura das políticas e estratégias de inovação, ciência e tecnologia. Quanto maiores as ambições em manufatura, mais fortes são as ligações.

Os limites entre setores da indústria estão se tornando tênues. O mesmo se aplica aos diferentes setores da economia – serviços, indústria e agricultura estão se tornando muito interdependentes e indistintos. Lógica semelhante é válida para políticas e operações do governo. Há uma sobreposição entre as diferentes áreas de políticas públicas.

Manufatura, ciência, tecnologia, inovação, digitalização, internacionalização, economia verde, desenvolvimento e crescimento futuro aparecem confundidas no panorama de políticas públicas. Olhar sobre diferentes estratégias nacionais de inteligência artificial revela muitas interseções com manufatura e outras áreas tradicionais de políticas industriais, tecnologias e além.

Esta nova era da manufatura cria oportunidades para os países se desenvolverem e crescerem. Eles podem alavancar a tecnologia para transformar setores da indústria e aumentar a produtividade ou buscar a liderança em áreas-chave da tecnologia. Um caminho reforça o outro. A velocidade será atributo fundamental para o sucesso. As nações serão obrigadas a construir rapidamente consenso sobre suas ambições e prioridades, adaptar marcos regulatórios e coordenar estratégias e os esforços de políticas públicas. 


Comentários

 


Notícias Relacionados

Nova empresa focada em soluções IoT  inicia operações no Brasil - Imagem: Reprodução
Lançamentos

Nova empresa focada em soluções IoT inicia operações no Brasil

O objetivo é distribuir e integrar nos mercados brasileiro e latino-americano tecnologias inovadoras já comprovadas e que garantam de fato aos clientes o real retorno dos investimentos
Eventos

everis e FIAP lançam desafio para desenvolvimento de projetos de games com realidade aumentada para mercado corporativo

Estudantes terão oportunidade de desenvolver projetos de games com realidade aumentada para ajudar as empresas dos setores de saúde, telecomunicações e financeiro a resolverem problemas reais e...


Publicidade »

Publicidade »

Mais notícias

 

Newsletter

Assine e receba novidades sobre Indústria 4.0:

 

Publicidade »

Publicidade »