Inovação e Processos

Floresta 4.0: mercado aberto e ávido por tecnologia

A Indústria 4.0 é uma realidade que nos últimos tempos vem movimentando esforços, tecnologias, profissionais e cifras volumosas.
Por: IT Forum 365       05/12/2019

A Indústria 4.0 é uma realidade que nos últimos tempos vem movimentando esforços, tecnologias, profissionais e cifras volumosas. Neste contexto, nenhum setor fica de fora. Não é só dentro das fábricas que a Indústria 4.0 acontece, ela é também uma tendência em curso no campo, nas plantações e florestas.

“Em 10 anos, a projeção é de que este curso esteja ainda mais acentuado: 15% das empresas já deverão ter adotado práticas de indústria 4.0, também segundo dados da ABII”, afirma Paulo Renato Jotz, diretor de Marketing da Creare Sistemas, companhia especializada em soluções para gestão de frotas e telemetria, que conta com tecnologias para o mercado de Floresta 4.0.

O próprio termo Floresta 4.0 é um desdobramento da Indústria 4.0, que se caracteriza pela utilização de tecnologias digitais nos processos florestais para aprimorar a gestão, produtividade e segurança das operações. Tais tecnologias podem trazer uma evolução sem precedentes ao segmento florestal.

Um estudo da Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (APRE) mostra que o número de empresas do segmento que têm, desde 2018, aderido à inserção destes investimentos em suas estratégias de negócio, cresceu substancialmente, em projetos que abrangem da silvicultura à logística, passando, é claro, pela etapa industrial.


Continua depois da publicidade


“Para atender a estes planejamentos, é importante contar com soluções que favoreçam a gestão do trabalho ao longo de toda a cadeia logística. O processo “transporte”, por exemplo, é de alto custo, mas vital para a indústria florestal 4.0, já que compreende levar os materiais da floresta até as fábricas e destas até os clientes. Ter controle e gestão sobre o processo de transporte e logística é fundamental”, comenta Jotz.

Soluções tecnológicas da Creare Sistemas estão em plena operação em grandes clientes do setor florestal, como Suzano, CMPC e Cenibra. Tratam-se de ferramentas para automatizar os processos logísticos, tornando-os mais produtivos e seguros.

Além disso, conta com conhecimento e expertise da empresa na área florestal, o que permite customizar soluções de acordo com as necessidades de cada cliente. Uma das soluções é o AgroLOG Celulose, que propicia a automação e otimização do processo logístico de transporte de madeira. “Em um único ambiente, a solução reúne recursos de monitoramento, gerenciamento, automação e controle remoto das operações de suprimento de madeira, desde o plantio até a entrega na indústria”, afirma o executivo.

O sistema permite analisar informações em tempo real através de dashboards no Centro de Controle de Operações, mostrando as Frentes de Carregamento, status operacional das gruas, caminhões em fila, veículos retornando carregados e se deslocando vazios, apresentando em mapas digitais a localização dos veículos e máquinas, inclusive registrando os tempos envolvidos em cada atividade para a elaboração de relatórios gerenciais.

Complementa a solução, uma série de funcionalidades relacionadas à segurança no transporte. O sistema monitora as velocidades, as freadas, os locais de parada, a jornada de trabalho e tempos de descanso e de alimentação, controle de rotas e até o monitoramento da fadiga e distração do motorista com o uso de câmera com inteligência artificial.

“Para a Creare Sistemas, a Indústria 4.0 e seu desdobramento em Floresta 4.0 já é uma realidade. Ter ferramentas de controle da logística de movimentação de madeira é um passo importante para aumentar a segurança e eficiência das empresas do setor florestal”, destaca o diretor.


Comentários

 


Notícias Relacionados

Indústria 4.0, desafio para os sistemas de legados da produção - Imagem: Reprodução
Inovação e Processos

Indústria 4.0, desafio para os sistemas de legados da produção

Para Fiesp, adoção de tecnologias da indústria 4.0 é lenta dentro do Brasil - Imagem: Reprodução
Mercado

Para Fiesp, adoção de tecnologias da indústria 4.0 é lenta dentro do Brasil

De acordo com estudo realizado pela Federação, o número de empresas implantando ações para a nova indústria caiu 7% nos últimos dois anos


Publicidade »

Publicidade »