Lançamentos

A internet que vem do céu

Por: Jornal O Globo - https://oglobo.globo.com/economia/tecnologia/a-internet-que-vem-do-ceu-spacex-lanca-satelites-que-vao-conectar-terra-partir-do-espaco-23690824       28/05/2019

Após transformar a indústria aeroespacial, a SpaceX assume outro grande desafio: oferecer cobertura de internet em todo o planeta usando satélites. Os primeiros 60 foram lançados na noite desta quinta-feira, de uma base da Força Aérea americana em Cabo Canaveral, na Flórida. O projeto da empresa fundada por Elon Musk, batizado como Starlink, prevê cerca de 12 mil deles, que deverão ser lançados até 2027. Caso seja bem-sucedido, o negócio tem potencial para faturar até US$ 30 bilhões por ano — valor 50% superior ao orçamento da Nasa para este ano — para financiar a exploração da Lua e de Marte.

— Nós vemos isso como uma forma para a SpaceX gerar receitas que podem ser usadas no desenvolvimento de foguetes e espaçonaves cada vez mais avançadas — afirmou Musk, em entrevista coletiva na semana passada. — Nós pensamos que isso é uma chave fundamental no caminho de estabelecermos uma cidade autossustentável em Marte e uma base na Lua.

O foguete Falcon 9 deixou a base de lançamento por volta das 23h30, pelo horário de Brasília, e retornou para o pouso numa balsa ancorada no Atlântico. Os satélites — cada um deles pesando 227 quilos — foram liberados cerca de uma hora depois, a 440 quilômetros de altitude. No início da madrugada desta sexta-feira, Musk usou sua conta no Twitter para informar que todos os satélites estavam on-line.


Continua depois da publicidade


30 lançamentos para cobrir o planeta

Segundo Mark Juncosa, vice-presidente de engenharia de veículos da SpaceX, serão necessários mais 12 lançamentos para que a rede Starlink ofereça cobertura para todo o território americano. Com 24 lançamentos será possível oferecer conexão de internet para praticamente todos as regiões povoadas; e 30, para cobrir todo o planeta. Então, para cobrir todo o planeta são necessários 1,8 mil satélites. Os quase 10 mil adicionais servem para aumentar a capacidade da rede.

— Em um ano e meio, talvez dois anos, se tudo correr bem, a SpaceX provavelmente terá mais satélites em órbita do que a soma de todos os outros satélites — afirmou Musk. De acordo com levantamento da Union of Concerned Scientists existiam 2.062 satélites em órbita antes do lançamento desta quinta-feira.

O uso de satélites para a oferta de conexão à internet não é novidade. Entretanto, até poucos anos atrás, esse link era feito por satélites geoestacionários, que ficam parados sobre um ponto do planeta a cerca de 36 mil quilômetros de altitude. Dessa forma, cada satélite cobre uma porção imensa do planeta, mas pela distância, a latência (tempo entre o envio de um comando e o recebimento de uma resposta) é alta, acima de 600 milissegundos.

Cruzeiros, ilhas e cidades isoladas

Desde 2014 a SES opera a rede O3b, a primeira de órbita terrestre média a oferecer conexão de alta velocidade com a internet. Os satélites ficam circundando a Terra a cerca de 8 mil quilômetros. Apenas seis deles são suficientes para cobrir todo o planeta, mas a rede conta com 20 para oferecer mais capacidade. Sandro Barros, diretor da SES Networks para o Brasil e Cone Sul, explica que os satélites são usados para oferecer conexão com padrão de banda larga fixa para regiões remotas e e pouco povoadas.

Quem vive em grandes centros urbanos pode não conseguir mensurar o valor do acesso à internet, ela já faz parte do dia a dia. Mas para cidades e povoados isolados, a chegada da rede abre um mundo de novas oportunidades. Cursos de graduação e pós-graduação a distância se tornam possíveis, comerciantes locais podem aderir ao comércio eletrônico, produtores agrícolas ganham novas ferramentas, como drones e sensores em tempo real. Redes também podem ser montadas rapidamente em situações de desastre.

— A gente chama esse tipo de solução como “Fiber in the Sky” (fibra no céu). A ideia é não apenas habilitar uma conexão, mas uma conexão com qualidade de fibra. As velocidades chegam na casa do gigabit por segundo — afirmou Barros. — Nós conectamos ilhas, como Fernando de Noronha, San Andrés e Ilha de Páscoa. Praticamente todas as grandes ilhas do Pacífico também são conectadas por satélites. Também conectamos grandes navios de cruzeiro e plataformas offshore. No Brasil, temos clientes principalmente nas regiões Norte e Nordeste, em cidades onde a fibra não chega.

A distribuição de internet por satélite funciona da seguinte maneira: antenas no local atendido transmitem os dados para os satélites, que os direcionam para estações em terra conectadas com a internet. No Brasil, o teleporto da SES fica em Hortolândia, em São Paulo. Na rede O3b, a latência varia entre 100 e 150 milissegundos, equivalente à fibra de longa distância, o tempo de um piscar de olhos.

Carros autônomos e realidade aumentada

Na rede da Starlink a latência deve ser ainda menor. Os satélites vão orbitar o planeta em altitudes entre 340 e 1.140 quilômetros. Com uma distância menor para percorrer, a resposta é mais rápida, praticamente em tempo real. As latências baixíssimas são exigências de novas tecnologias que devem surgir nos próximos anos, como os carros autônomos e a realidade aumentada. Tanto que os padrões definidos para as redes 5G são de latência de apenas 4 milissegundos.

Para a maioria das aplicações atuais, a velocidade de resposta não faz tanta diferença. Acessar um site na internet, assistir um filme por streaming ou enviar uma mensagem não dependem da latência baixa. Mas para um carro, trafegando a 100 km/h, qualquer atraso na tomada de decisão pode ser fatal. O mesmo acontece em cirurgias remotas, onde um pequeno delay na transmissão de imagens pode ter consequências graves.

Além da SpaceX, outras companhias preparam suas constelações. A OneWeb, bancada pela Airbus, lançou seus primeiros seis satélites em fevereiro, de uma constelação projetada com 900 satélites. Mais recentemente, a Amazon apresentou pedido ao governo americano para lançar 3.236 satélites pela subsidiária Kuiper Systems.


Comentários

 


Notícias Relacionados

Nokia e SENAI-SP firmam parceria para alavancar adoção de soluções da Indústria 4.0 no país - Imagem: Flickr
Lançamentos

Nokia e SENAI-SP firmam parceria para alavancar adoção de soluções da Indústria 4.0 no país

A parceria permitirá o desenvolvimento de competências do ecossistema da Indústria 4.0 em todo o país e a criação de testes para o desenvolvimento de novos casos de uso e soluções aplicadas
Indústria de autopeças de Taiwan já está preparada para atender o setor automotivo do futuro - Imagem: Enio Piotto
Eventos

Indústria de autopeças de Taiwan já está preparada para atender o setor automotivo do futuro

Carros autônomos e eletrificados devem dominar as ruas da Europa até 2040. Para atender as demandas tecnológicas desse novo mercado, a indústria de autopeças de Taiwan já desenvolve soluções e...


Publicidade »

Publicidade »

Mais notícias

 

Newsletter

Assine e receba novidades sobre Indústria 4.0:

 

Publicidade »

Publicidade »