Eventos

Roadshow da VDI-Brasil na EXPOMAFE apresentou cases de Indústria 4.0 em diferentes níveis de maturidade em transformação digital

Por: Assessoria de imprensa       16/05/2019

Na quarta-feira (8/5), durante a EXPOMAFE – Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta e Automação Industrial, aconteceu o Roadshow VDI: Aplicação de diretrizes oficiais alemãs à Indústria 4.0 no Brasil. O evento reuniu empresas em diferentes níveis de maturidade em transformação digital para tratar sobre o papel das diretrizes no processo de transição.

O Roadshow contou com a presença de Ivo Yoshida, diretor na Valpri, Raquel Goulart, especialista na gerência de tecnologia de automação e inovação na Klabin, Daiani Nogueira, head of South America BASF Smart Manufacturing, e Emerson Antonio, especialista em E&I e Automação na BASF.

O diretor executivo na VDI-Brasil, Johannes Klingberg, deu início à programação abordando sobre a importância de embasar o uso de tecnologias digitais em um planejamento estratégico, ressaltando o papel da Diretriz VDI 4000.

"Desde 2011, quando o termo Indústria 4.0 foi utilizado pela primeira vez, em publicação da VDI, o conceito se expandiu no mundo de maneira considerável. No entanto, muitas empresas ainda o consideram como um projeto de TI e se frustram com o resultado obtido. Por esse motivo, surgiu a necessidade da elaboração de um documento que as orientem nessa transição. Atualmente, mais de 12 mil membros da VDI na Alemanha, incluindo a participação da indústria, academia e governo, trabalham ativamente na construção de diretrizes técnicas (guidelines). Entre elas, está a diretriz VDI/VDE 4000, que trata especificamente sobre o processo de implementação da Indústria 4.0. O objetivo é produzir um documento que estabeleça um conceito comum para todos os usuários de tecnologia digital. A previsão da publicação é para o fim de junho", afirma Klingberg.


Continua depois da publicidade


Para destacar a questão de digitalização para pequenas empresas, Ivo Yoshida, diretor da Valpri, empresa de embalagens plásticas flexíveis, situada em Campinas/SP, abordou as ações realizadas para superar a falta de ferramentas e técnicas de qualidade e produção por meio da utilização de práticas de Indústria 4.0.

"Há pouco mais de seis anos, a Valpri ainda estava na Indústria 2.0. Praticamente, todas as ações eram realizadas manualmente e não havia coleta de dados para análise. Com base nesse cenário, perguntamo-nos se era possível saltar direto para a Indústria 4.0. Para isso, tivemos como base dois pontos: atualização tecnológica e gestão de pessoas, com mudanças na cultura organizacional" explica Yoshida.

No sentido de atualização tecnológica, os primeiros passos rumo à digitalização da empresa foram dados com a implementação da tecnologia RFID, utilizada para identificar e registrar os motivos das paradas não programadas que ocorrem nas máquinas durante a linha de produção, o tempo de ociosidade e outras informações relevantes. O uso de cartões RFID tornou possível a coleta de dados que fornecem uma visão holística da empresa, detectando os pontos que devem ser melhorados.

"Um dos grandes desafios para as pequenas empresas é a questão de recursos. Sem a possibilidade de fazer altos investimentos em tecnologia, utilizamos uma ferramenta com valor relativamente baixo e que fez toda a diferença na produção. Apenas com a implementação de uma tecnologia simples, porém mantendo a visão holística de implementação, conseguimos diminuir em 50% o tempo de ociosidade e aumentar em 25% a produtividade de equipamentos com o uso dos cartões RFID", diz Yoshida.

Yoshida ressaltou, ainda, a importância da consultoria técnica produtiva que a Valpri recebeu do Instituto de Pesquisas Tecnológicas e de consultoria organizacional, que capacitou e mobilizou a equipe em torno de um objetivo comum.

"As consultorias externas que recebemos nos últimos anos estão sendo muito importantes nessa fase. A Indústria 4.0 não se trata somente da utilização de tecnologias, também deve haver um esforço na gestão de pessoas e na cultura organizacional. Nesse âmbito, a participação de um consultor que entenda as dificuldades das pequenas empresas e saiba lidar com as fronteiras da Indústria 4.0 faz toda a diferença" encerra Yoshida.

Em seguida, Raquel Goulart, gerente de tecnologia de automação da Klabin, demonstrou como a empresa está realizando múltiplas ações em suas 19 fábricas com o intuito de aplicar as práticas de Indústria 4.0. Destaca-se a parceria da empresa com a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) na criação de uma especialização para desenvolver os colaboradores na utilização de práticas 4.0 para solução de problemas e implementação de sistemas.

"A transformação digital se fundamenta em três pilares: pessoas, processos e tecnologia. Entendemos que a questão vai além da tecnologia e, por isso, iniciamos, em agosto do ano passado, o 'Indústria 4.0 in Company' na Klabin, em parceria com a UTFPR, que reúne profissionais de diversas áreas, como gestão, compras, TI, controladoria, manutenção, entre outros, agregando visões de campos diferentes, o que é muito importante para o processo" cita Goulart.

Simultaneamente à especialização, a Klabin trabalhou em uma análise interna para mapear os gargalos em cada área, identificando possíveis ferramentas e ações para solucioná-los. Por meio dessa avaliação, foram priorizados sete projetos: medição de consumo específico de madeira, inovação em segurança do trabalho, utilização de AR e VR, monitoramento de predição de bombas, conexão de informações da área florestal e planta industrial, predição de eficiência energética e, por fim, o Cookpit operacional na unidade de Monte Alegre/PR.

Com a priorização de projetos, foi criada uma gerência de tecnologia da automação, que tem a missão de promover a digitalização nas unidades da Klabin, além da formação de um Comitê Multidisciplinar de Transformação Digital para discutir o desenvolvimento de soluções, abordando pontos de vista de diferentes setores.

"A nossa Unidade Puma, inaugurada em 2016, conta com tecnologias avançadas no setor e, recentemente, anunciamos a expansão da fábrica, que será o maior investimento da história da Klabin, R$ 9,1 bilhões, ou seja, é um cenário totalmente favorável para a transformação digital. Em contrapartida, ainda temos fábricas que foram construídas nos anos 60 e é um desafio aplicar essas práticas em unidades com culturas diferentes" afirma Goulart.

Iniciando o último case, Daiani Nogueira, head of South America na BASF Smart Manufacturing, apresentou os números da empresa no Brasil e no mundo, reforçando o papel das práticas 4.0 em diferentes áreas de atuação. "A BASF é a maior indústria química do mundo, são 6.200 funcionários, em 18 plantas que temos na América do Sul, e 122 mil no resto do mundo. Temos diversos projetos em químicos industriais, produtos de desempenho, materiais e soluções funcionais, soluções agrícolas, entre outros. Esses números tornam evidentes a necessidade de contar com tecnologias e práticas de gestão da Indústria 4.0 para manter a liderança e expertise no setor", diz Nogueira.

Na sequência, Emerson Antonio, especialista em E&I e Automação na BASF, encerrou as apresentações ilustrando as aplicações de Indústria 4.0 em empresas multinacionais, com foco em ações específicas realizadas na fábrica, abordando as particularidades encontradas no Brasil.

"As ações da BASF em Indústria 4.0 são globais, portanto, temos um portfólio abstrato de soluções 4.0 que são aplicadas em todo o mundo. No Brasil, estamos trabalhando, nos últimos cinco anos, em algumas soluções específicas, baseadas nas dificuldades que temos. Uma das principais ferramentas implementadas, nesse sentido, é a Realidade Aumentada voltada para a manutenção. Por se tratar de uma indústria química, há um obstáculo na questão do uso de dispositivos móveis em atmosferas exclusivas" aponta Antonio.

Outro entrave encontrado pela empresa no território brasileiro se deu na certificação dos dispositivos importados para utilização nas fábricas, como destacou Antonio. "Para utilizar a Realidade Aumentada nas fábricas, nós implementamos o HoloLens, porém, o dispositivo não é comercializado e não possui certificação no Brasil. Para importar os equipamentos, é necessário obter uma autorização pela Anatel, o que é um processo demorado. Nós só conseguimos essa autorização uma semana antes do HoloLens ser descontinuado. Esse é apenas um dos vários desafios encontrados" finaliza Antonio.

O encerramento do Roadshow contou, ainda, com um convite do presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ), José Velloso Dias Cardoso, aos participantes, para visitar o "Demonstrador de Tecnologias da Indústria 4.0", apresentado pela ABIMAQ e pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos (IPDMAQ) na EXPOMAFE.


Comentários

 


Notícias Relacionados

SKA propõe conectar a indústria 4.0 na EXPOMAFE 2019 - Imagem: SKA
Eventos

SKA propõe conectar a indústria 4.0 na EXPOMAFE 2019

Fábricas inteligentes, conectadas e interligadas: isso não é o futuro, é o presente. “Conectando a Indústria 4.0” é o tema proposto para a SKA em seu estande na EXPOMAFE 2019, maior e mais...