Inovação e Processos

O que é a comunicação M2M? (Machine to Machine)

Entenda o que é e como funciona a tecnologia M2M (Machine-to-machine, ou máquina à Máquina, em Português), aonde ela se insere na nossa vida e o que podemos esperar dela para o futuro.
Por: Oficina da Net       06/03/2019

A tecnologia Machine-to-machine, ou M2M, é um rótulo amplo que pode ser usado para descrever qualquer tecnologia que permita que dispositivos em rede troquem informações e executem ações sem a assistência manual de humanos.

Consiste na troca automatizada de informações entre dispositivos como máquinas, veículos ou outros equipamentos, tanto no ambiente industrial quanto no privado. Estes comunicam entre si ou com uma localização central (banco de dados), usando cada vez mais a Internet e as várias redes de acesso, como a rede celular. 

Uma aplicação comum é o monitoramento, gerenciamento, controle e manutenção remotos de máquinas, equipamentos e sistemas, que é tradicionalmente chamado de telemetria. A tecnologia M2M ligou essas tecnologias de informação e comunicação.

As soluções M2M agilizam em quase todos os fluxos de trabalho do setor, e resultam em ganhos de produtividade.

Além disso, a tecnologia M2M reduz o tempo de inatividade. Um exemplo é a indústria automotiva. As peças usadas são reportadas através de um sistema e-Kanban ao fornecedor. Isso, portanto, reconhece as partes e quantidades necessárias. 


Continua depois da publicidade


A racionalização subsequente dos processos de negócio e a consequente redução de custos implicam para a indústria - e também para a empresa - um grande potencial de mercado.

História da tecnologia M2M

As raízes do M2M são plantadas firmemente na indústria de manufatura, onde outras tecnologias, como o SCADA e o monitoramento remoto, ajudam a gerenciar remotamente e controlar os dados dos equipamentos.

O primeiro uso da comunicação M2M é frequentemente creditado a Theodore Paraskevakos, que inventou e patenteou a tecnologia relacionada à transmissão de dados por meio de linhas telefônicas, a base para o identificador de chamadas moderno.

A Nokia foi uma das primeiras empresas a usar a sigla, no final dos anos 90. Em 2002, fez uma parceria com a Opto 22 para oferecer serviços de comunicação sem fio M2M a seus clientes.

Em 2003, a M2M Magazine foi lançada. Desde então, a publicação definiu os seis pilares do M2M.

Aplicações M2M

-Transporte
-Gestão de frota
-Gestão de instalações
-Empresas de Abastecimento
-Máquinas de venda automática
-Sistemas de segurança / alarme / monitoramento
-Saúde / médico
-Produção / automação

Conceito básico de uma aplicação M2M

 

Os sistemas M2M são caracterizados principalmente por três componentes básicos:

1. Ponto final de dados (EndPoint Data = DEP). Tal como uma máquina de venda a ser monitorada.

2. Redes de Comunicação:

- Mobile, por exemplo, GSM, SMS, GPRS, EDGE, UMTS, HSPA, HSDPA, LTE
- Com fio, por exemplo, linhas fixas, ISDN, DSL, Ethernet (LAN)
- Sistemas sem fio, como Bluetooth, RFID (ativo / passivo) ZigBee, rádio por satélite, rádio de dados ou WirelessHART, LORA.

3. Data Integration Point (ponto de integração de dados = DIP), por exemplo, um servidor que monitora os níveis de todas as máquinas de venda automática.

O ponto final de coleta de dados (DSEP) é um sistema controlado por microcomputador compacto (Data Collector) - um transmissor que está associado a um terminal. Dentro de uma rede fechada, pode haver vários terminais de coleta de dados e dispositivos ou equipamentos associados. Com a ajuda das máquinas DSEP, a troca ocorre através de dados de uma rede de comunicação com o ponto de integração de dados (DIP) - o receptor - dos quais com uma localização central (banco de dados) está conectado. 

Em uma rede complexa, pode haver vários DIPs. Estes servem e recebem dados dos seus respectivos DSEP designados. Assim pode surgir em vários níveis em uma aplicação M2M, uma topologia em forma de pirâmide. A informação flui não apenas na direção da Central. Assim, também a comunicação entre os DSEPs individuais é possível.

A transferência geral de dados pode ocorrer por meio de uma rede móvel. Por exemplo, um dispositivo envia uma mensagem de erro diretamente para um grupo selecionado de engenheiros via SMS.

Componentes de uma solução M2M

As soluções M2M são basicamente definidas de vários componentes interdependentes que permitem a comunicação entre máquinas. Estes incluem principalmente:

-Componentes de hardware, como modems, leitores RFID, sensores, switches, PCs industriais, servidores, etc.
-Serviços de telefonia móvel e fixa
-Integração de sistemas e serviços de consultoria
-Aplicativos como aplicativos de servidor, aplicativos "Ponto a Ponto".

Fatores de sucesso das soluções M2M

A estreita cooperação entre parceiros de soluções, operadores de rede e clientes é a chave para o planejamento e implementação bem-sucedidos de soluções M2M. Além disso, o sucesso de uma solução M2M também depende dos seguintes fatores:

-Valor adicionado (análise custo-benefício → Business Case)
-Capacidade da empresa (Aceitação → Privacidade)
-Hardware adequado (hardware barato pode gerar custos mais altos em circunstâncias do que hardware caro → custo total de propriedade e retorno do investimento)
-Comunicação adequada
-Redes (hoje cada vez mais redes móveis → GPRS, EDGE, UMTS, HSPA)
-Preços (em particular tarifas móveis)
-Protocolos (o futuro é IP → ampla gama de aplicações e proteção de investimento)
-Integração completa em fluxos de trabalho existentes (automação → benefícios).

Internet das Coisas (IoT)

O termo Internet das Coisas (IoT) descreve que o PC cada vez mais desaparece como uma unidade, e é substituído por "objetos inteligentes". Em vez disso, para ser ele mesmo o objeto da atenção humana, o papel da "Internet das Coisas" é ajudar imperceptivelmente as pessoas em suas atividades. 

Os microprocessadores embutidos, cada vez menores, devem ajudar as pessoas sem distrair ou mesmo perceber. Assim, por exemplo, o computador miniaturizado, chamado wearables, incorporados com vários sensores diretamente em roupas, relógios, smartphones inteligentes, tablet, PC ou similar.

A Internet das Coisas define a ligação de objetos físicos (coisas) claramente identificáveis ​​a uma representação virtual em uma estrutura semelhante à da web. Não há mais apenas a participação / ação de participantes humanos, mas também de dispositivos / coisas. 

M2M vs. IoT

Enquanto muitos usam os termos de forma intercambiável, M2M e IoT não são a mesma coisa. A Internet das Coisas precisa de M2M, mas o M2M não precisa de IoT.

Ambos os termos se referem à comunicação de dispositivos conectados, mas os sistemas M2M são freqüentemente isolados, equipamentos em rede independentes. Os sistemas de IoT levam o M2M ao próximo nível, reunindo sistemas distintos em um grande ecossistema conectado.

Os sistemas M2M usam comunicações ponto-a-ponto entre máquinas, sensores e hardware em redes com ou sem fio, enquanto os sistemas IoT dependem de redes baseadas em IP para enviar dados coletados de dispositivos IoT para gateways, plataformas de nuvem ou middleware.

 


Comentários

 


Notícias Relacionados

Como funciona a segurança dos dados na indústria 4.0? - Imagem: Pixabay
Sua empresa

Como funciona a segurança dos dados na indústria 4.0?



Publicidade »

Publicidade »

Mais notícias

 

Newsletter

Assine e receba novidades sobre Indústria 4.0:

 

Publicidade »

Publicidade »