Como tornar a indústria de base brasileira mais competitiva por meio de IoT, geoprocessamento e telemetria

Por: Vinícius Callegari 20/09/2021

Antes de entrarmos de fato no tema desse artigo, acredito que seja importante destacar a movimentação atual. A indústria de base brasileira, tão importante para a economia nacional, passa por um momento positivo com recordes de faturamento devido ao câmbio favorável. Essa alta margem, muitas vezes, mascara ineficiências operacionais, em particular na logística interna. A verdade é que essa ineficiência é sabida por todos, mas por falta de tecnologia adequada, até muito pouco tempo não se podia controlar a gestão de centenas de máquinas móveis de forma proativa.

Já há algum tempo temos falado sobre a chamada Indústria 4.0 e como o uso de tecnologia pode ser aplicado justamente para melhorar as ineficiências que citei acima. Mas, para isso, precisamos separar a indústria 4.0 em processos produtivos e processos de logística interna (movimentação de insumos, produtos semiacabados, escória, etc). Na parte de produção, a indústria 4.0 se mostra mais madura, com tecnologias e resultados mais palpáveis. Na parte da logística interna (movimentação interna de materiais), ela ainda está engatinhando e pelo menos até 2018, não se conseguia automatizar a gestão das máquinas e ter informações "básicas" sem ser de forma manual ou semi manual. Falando de aderência no processo de logística interna, a velocidade de adoção vem aumentando ano a ano, porém, sempre amparado por um trabalho realizado a quatro mãos.

Esse é outro ponto de suma importância para o desenvolvimento da indústria de base. É preciso orientar, de forma constante, os clientes sobre a relevância de uma "transformação cultural", antes da digital. Esse aculturamento é, de forma bem simples, preparar, ensinar e acompanhar a evolução das pessoas dentro da nova tecnologia, que por sua vez interage com os processos que eles já realizavam de forma empírica.


Continua depois da publicidade


A partir do momento em que você consegue criar uma cultura de inovação e fazer com que ela faça parte do DNA da empresa, você conseguirá ter ativos monitorados e centralizados em uma plataforma (IoT), coletar as informações da saúde e funcionamento destes ativos (telemetria avançada) e mapear áreas de disponibilidade/indisponibilidade dentro da usina (geoprocessamento). Será possível, inclusive, receber uma massa estruturada de dados e transformá-los em informação valiosa para tomada de decisão gerencial e operacional.

Essa transformação digital permite que a indústria ganhe eficiência operacional e administrativa, uma vez que estrutura uma massa gigantesca de dados, muitas vezes coletados de forma manual, ou nem mesmo medidos, e permite que as pessoas tenham uma visão transparente do fluxo de todos os processos. Temos de lembrar que sempre teremos o tripé: pessoas, processos e tecnologia. Logo, a tecnologia vem para que as pessoas mudem o seu papel e possam analisar processos, e não mais perder o seu tempo simplesmente os executando.

Por fim, assim como é hoje (e há alguns anos), a indústria de base continuará sendo vital ao desenvolvimento do país, só que ainda mais inserida na transformação digital, e consequentemente mais produtiva, rentável, segura, e com maior compliance em todos os seus processos. No caso do Brasil, acho que podemos ter o parâmetro de outros grandes mercados emergentes, como a índia e China, que têm alto potencial de escala e crescimento. Os EUA ainda é o mercado mais maduro em termos de adoção de tecnologias para indústria de base, mas nosso país tem grandes chances de se tornar uma potência tão importante quanto eles.

Gostou? Então compartilhe:

Vinícius Callegari

CCO e Head de Desenvolvimento Comercial da GaussFleet, maior plataforma de gestão de máquinas móveis para mineradoras e siderúrgicas.