Projeto Generativo: o que é e como aplicar na indústria

Por: Gabriela Pederneiras 19/08/2020  

A relação entre processos indústriais e a tecnologia sempre foi de parceria. O computador, por exemplo, é tido, para a maior das atividades, como uma ferramenta que facilita um processo. Com os projetos generativos essa relação é alterada e a tecnologia, por meio dos computadores, passa a ser agente ativo na criação de peças para indústria.

Projeto generativo nada mais é do que a criação de determinada peça por algoritmos a partir de características indicadas por um profissional. Por exemplo: uma fábrica de tratores precisa deixar os automóveis mais ágeis, leves e potentes. A partir dessas informações, e abastecidos com dados, os programas de projetos generativos são capazes de desenhar toda a estrutura de peças e imprimir essas características nos tratores. 

Os projetos generativos são a automação chegando em um novo nível. A partir dele, os designers e projetistas podem se preocupar em entender a experiência do usuário, melhores formas de usabilidade, inteligência de mercado, estudar tendências, enfim, com a parte estratégica da projeção, enquanto os computadores escolhem a melhor forma de colocar isso em prática e operacionalizam a peça. 

Diferencial

Além da automatização o projeto generativo se diferencia do tradicional por já começar a ser desenvolvido a partir de  um objetivo específico. Geralmente, no modo usual de projeção, se criam conceitos múltiplos antes de avaliar e otimizar os produtos. Na forma generativa, é possível já colocar o objetivo principal do objeto e ainda testar objetivos diferentes para tentar entender quais as diferenças que isso faz no projeto. 


Continua depois da publicidade


Por exemplo, antes, para diminuir o peso de tratores e aumentar sua agilidade, teria que ser feito um projeto prévio para estudar a viabilização de duas ou mais peças a fim de gerar esses efeitos. Com o generativo, basta mudar os comandos e analisar as diferenças das peças prontas, entendendo qual a melhor para o produto final. 

Aplicação prática

Alguns programas de  projetos industriais já integram o generativo dentro do seu kit de ferramentas. É o caso do Solid Edge da Siemens. Ele integra a otimização avançada no kit de modelagem do Solid Edge 3D, o que auxilia os designers a pensarem e criarem projetos personalizados e adequados para moldagem ou impressão 3D.

Na prática, os projetos generativos são o novo passo de projeção de peças. Ele torna as indústrias ainda mais inteligentes, ao passo que até mesmo a menor peça de um maquinário é feita a partir de processos estratégicos, que pensam na sua melhor aplicação a partir dos seus objetivos de uso. 

Gostou? Então compartilhe:


Comentários

Redatora/ Jornalista/ Assessora de Imprensa