Artigos

Drones que fazem leitura RFID podem solucionar problema bilionário do varejo

Já não é de hoje que o varejo enfrenta um sério problema de 45 bilhões de dólares por ano, e os drones com leitura RFID podem ser a solução desse grande problema.
14/02/2019

Varejistas americanos perdem cerca de 45 bilhões de dólares em estoque, todos os anos, devido a embalagens mal catalogadas e estocadas, mercadorias roubadas e mercadorias devolvidas. Em 2013, o Walmart perdeu aproximadamente 3 bilhões de dólares devido a discrepâncias entre registros de estoque e estoque real, de acordo com a Forbes.

Você poderia imaginar que diferença esses 3 bilhões de dólares poderia ter feito na tomada de decisões da empresa, caso não fosse uma perca, mas um ganho?

E imaginou como reverter a situação para mitigar estes problemas?

Se você pensou que os drones podem ajudar, você está certo!

Tudo se resume a uma tecnologia de rastreamento de embalagens baseada neles.

Novas pesquisas do MIT propõem que drones leves podem ajudar a rastrear e gerenciar inventários de empresas em ambientes de grande escala, permitindo a digitalização passiva e de longo alcance de identificação por radiofrequência (RFID).

Ao integrar drones aéreos com sistemas RFID mais inteligentes, pesquisadores do MIT podem fazer com que embalagens perdidas em armazéns se tornem coisa do passado

As etiquetas RFID proporcionaram uma solução potencial para o problema do rastreamento efetivo de pacotes através da catalogação digital.


Continua depois da publicidade


É simples. Pense nisso como uma versão muito mais sofisticada da digitalização de código de barras.

No entanto, a tecnologia RFID tem sido limitada na implementação porque as tags RFID mais comuns são passivas e de curto alcance. Os “adesivos inteligentes” sem bateria não podem enviar um sinal até serem digitalizados por um leitor.

Assim, enquanto as etiquetas RFID são muito mais úteis para localizar pacotes do que um código de barras, eles ainda exigem varredura individual dentro de centimetros da etiqueta RFID.

Isso não só é ineficiente, mas também não conta para pacotes que podem estar localizados em locais inesperados.

Para o contexto de quão grande essa questão pode realmente ser, pense em escanear pacotes em um dos armazéns da Amazon. O centro de atendimento da Amazon em Phoenix, Arizona, possui 370 mil metros quadrados – o suficiente para abrigar cerca de 28 campos de futebol.

Como solução, os pesquisadores do MIT propõem o uso de drones como um interruptor eletromecânico (relay) entre tags RFID e um leitor RFID, ampliando substancialmente a faixa de leitura RFID e permitindo ao drone procurar sinais que podem até estar escondidos atrás de outros objetos.

A tecnologia RFly permite que um drone atue como um relay entre uma etiqueta RFID e o leitor que a computa (como mostrado na imagem abaixo). Como resultado, o leitor pode se comunicar com RFIDs a uma distância muito maior do que anteriormente era possível – aumentando o alcance de centimetros a mais de 50 metros de distância, mesmo quando os RFIDs são detectados através de paredes.

Com base em testes de estresse com o protótipo RFly, isso representa uma melhoria do intervalo 10x em relação aos cenários sem o relançamento do drone. Diagramas do trabalho de pesquisa do MIT mostram como o RFly envia informações da tag para o leitor.

Usando o drone como uma retransmissão RFID, em vez de um leitor, também permite que a tecnologia funcione com “um pequeno drone, que é seguro para voar dentro de armazéns e fábricas”, de acordo com um artigo dos pesquisadores do MIT.

Mesmo apenas em fase de protótipo, a equipe do MIT conseguiu a detecção de localização em cerca de 19 centímetros de uma embalagem. Implantado em escala, a tecnologia poderia ajudar os armazéns a rastrear os pacotes faltantes até a prateleira exata em que estão guardados.

Os engenheiros têm promovido tags RFID como o sucessor ideal para códigos de barras há décadas, em parte devido ao seu custo extremamente baixo. Problemas de alcance e “pontos cegos”, no entanto, limitaram o uso de tags RFID na cadeia de suprimentos / logística até o momento.

Os pesquisadores também observam que nenhum dos leitores de RFID comercialmente disponíveis pode ser montado em pequenos drones, em vez disso, exigem drones maiores “que só são seguros para voar em ambientes externos ou longe de seres humanos.

Ao implementar pequenos drones para rastrear pacotes faltantes, os varejistas aumentam a eficiência no armazém e recuperam uma parcela significativa de suas perdas anuais de estoque. Além disso, esses drones podem ser mais baratos e capazes de permanecer mais tempo no ar do que os grandes drones tradicionais.

Dado seu próprio alcance e tamanho, não é difícil de se pensar que a Amazon ou algum outro gigante da logística eventualmente incorpore o mecanismo RFly, ou uma inovação similar, em sua estratégia de logística.

A Amazon tem um claro interesse em usar drones para a entrega Prime Now, e os observadores tecnológicos acreditam que as suas lojas automáticas Amazon Go irão utilizar a tecnologia RFID para rastrear o movimento de mercadorias.

O importante é saber que pesquisadores e homens de negócios estão batalhando para criar novos modelos disruptivos que possam melhorar toda uma cadeia produtiva, no caso a do varejo, otimizando processos e mitigando problemas, os mesmos problemas que podem continuar causando 45 bilhões de dólares em perdas se nada for feito.

Nota: Gostaria de agradecer ao Matheus Pinheiro de Oliveira e Silva que autorizou a publicação da matéria que encontra se também disponível no site: http://merakigroup.com.br

Produzido por:

Cristian Machado de Almeida

Formado em Engenharia de Produção e Pós graduação em Indústria 4.0. Atualmente trabalhando na Startup Embria - Empresa Brasileira de Inteligência Artificial, Industrial Startup Development na Nova Fase Tecnologia, Membro do Grupo de Estudos de Direito Digital e Compliance na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP e Representante Comercial do Festival Internacional de Tecnologia e Comunicação.


Comentários

 


Artigos Relacionados

Com as empresas se adaptando a Indústria 4.0, como será o profissional da 4ª Revolução Industrial ?
Artigos

Com as empresas se adaptando a Indústria 4.0, como será o profissional da 4ª Revolução Industrial ?

Um novo perfil profissional irá aparecer com a 4ª Revolução industrial. Para se trabalhar no chão de uma fábrica digital, será preciso desenvolver novas competências.
Inovação: motor do desenvolvimento - Imagem: Divulgação
Artigos

Inovação: motor do desenvolvimento

Inovação, uma característica comum aos países desenvolvidos.

Publicidade »

Publicidade »


Indústria 4.0 - Inteligência industrial e a digitalização : 2018

Conectando Vendas, Engenharia e Fabricação.


Publicidade »

Publicidade »