Artigos

Descomplicando IoT: Product as a Service, um modelo de negócio para chamar de seu!

Existem diferentes modelos de negócios no mercado de IoT, um deles é o Product-as-a-Service. Confira esse modelo e espelhe no seu negócio.
22/04/2018

Em um momento que muito se fala em economia colaborativa como tendência, a compra de produtos está sendo questionada: Por que comprar se posso alugar? Esta forma de colaboração, onde podemos alugar no varejo apenas um quarto nos apartamentos de famílias, alugar vestidos de grife, alugar bolsas caras, comprar imóveis por cotas e muito mais é uma realidade. O movimento vem ganhando força motivada pelo consumo consciente e pela redução dos custos do mercado. O conceito já existe na indústria, mas antes de abordar esse assunto vamos analisar um caso prático: O caso empresário inovador!

O caso empresário inovador!

Um belo dia o empresário olhou para o seu processo produtivo e teve a ideia de colocar sensores para contar o número de produtos produzidos. Esta ideia pode-se chamar de automação. Porém 5 anos se passaram e apenas contar não era mais suficiente, e viu-se que precisava levantar o tipo de produto, velocidade da linha, gargalos produtivos entre outros pontos. Para isso, era preciso ter acesso a informação e tomada de decisão em tempo real. Para atender a essa demanda a solução ideal era IoT (Internet das Coisas). Começou então a fazer orçamentos e percebeu que teria que comprar todos os sensores, equipamento que concentraria todos os dados e enviar tudo isso para a nuvem. Além disso, não podia-se esquecer do software que apresentava todas as informações. Quando fechou a soma de todos esses custos chegou a conclusão que era muito investimento para uma aplicação que ainda não saberia o impacto e os benefícios que a mesma traria. Conclusão: engavetou o projeto.


Continua depois da publicidade


Que empresário nunca vivenciou uma situação assim? Encontrar a solução que resolve o problema, mas com custos que inviabilizam a implantação.

Visando encontrar uma solução para essa situação surge um modelo de negócio: Product-as-a-Service, que podemos chamar de “melhor amigo” das aplicações IoT na indústria.

 

Modelo de negócio Product-as-a-Service:

Product-as-a-Service (Produto como um serviço) é um modelo de negócio que presta um serviço em áreas em que tradicionalmente há a venda do produto. Product-as-a-Service une produtos físicos, acompanhados de serviços e possivelmente um software de monitoramento que permite o cliente utilizar a solução por um período de tempo determinado. Ao invés de apenas uma transação de venda, o cliente contrata a locação do produto e paga mensalmente, gerando uma receita recorrente para o locador. Esse contrato pode incluir manutenção, troca de equipamentos, substituições por versões mais recente, sem grandes custos adicionais.

Com a receita recorrente gerada pelo modelo, os fabricantes garantem uma segurança no caixa e constroem uma relação de longo prazo com os clientes. Muitas empresas falam sobre criar proximidade com o cliente, em modelos Product-as-a-Service não há como escapar dessa intimidade. Para empresas que criarem essa mentalidade de locação é possível alcançar um poderoso diferencial no mercado onde a parceria é mais importante do que venda de componentes.

 

Migração para Product-as-a-Service

Para as fabricantes de produtos físicos iniciarem a jornada “as-a-Service” pode parecer assustador. Product-as-a-Service pode diminuir a receita com vendas no inicio da operação mantendo o mesmo gasto com produção, porém ao longo prazo estudos mostram que negócios que migraram para esse modelo conseguem mais estabilidade, lucratividade e escalabilidade do que o modelo venda única.

Possivelmente alguns benefícios sobre o modelo Product-as-a-Service são:

  • Preços dos produtos mais acessíveis (locação), o tamanho de mercado aumenta tornando os produtos similares a commodities.
  • Preço de entrada para os clientes é reduzido (investimento em imobilização de material), sendo possível também a implantação de projetos pilotos sem custos impactantes.

 

Um modelo de negócio para chamar de seu

Como todo negócio, Product as a Service tem seu prós e contras para os fabricantes:

Contras: Investimento na fabricação de produtos para estoque, aumentando o valor imobilizado de capital. Perda  de receita imediata com a venda de produtos.

Prós: estabilidade no fluxo de receita (contratos de locação com durações de 12 a 24 meses). Lucro na locação é superior ao de uma venda normal de produto.

Em mercados em constante evolução com produtos que ficam obsoletos rapidamente a opção de locação é um bom negócio para clientes e fabricantes. Aos clientes a segurança de manutenção e estabilidade na prestação do serviço no decorrer do tempo, aos fabricantes um fluxo de caixa estável com lucros superiores a venda do produto.

Independente se a necessidade for de contratar uma locação de produtos ou de alugar os equipamento IoT,  o modelo de negócio certo para você é o Product-as-a-Service!

Segue um exemplo de empresa que aluga equipamentos IoT para a indústria.

www.uselesense.com.br

Você já opera a sua empresa com algum modelo Product-as-a-Service? Deixe um comentário me contando mais.

Produzido por:

Jian Melo
      

O autor possui: FORMAÇÃO EM ENGENHARIA, especializado em Projetos Mecânicos, Mecatrônica Industrial e Engenharia de Produção. Com Background que reforça a rápida tomada de decisão, entendimento sobre os custos de produção e gerenciamento de projetos. DESIGN DE ESTRATÉGIA DE MARKETING, criando inteiramente a estratégia de marketing para todo o mercado Brasileiro, incluindo análise de mercado, comportamento do consumidor, competidores, agências de publicidade, parceria com bloggers e instagramers. INTERNATIONAL BUSINESS DEVELOPMENT, com foco especial na China, USA e Brasil. Incluindo players de supply chain, inovação, IoT e agência de publicidade. EXCEPCIONAL HABILIDADE EM ENTREPRENEURSHIP & TEAM WORK, com uma mentalidade de dono do negócio, construindo um novo negócio por si só e mantendo o melhor relacionamento com o time, enquanto inspira-os. Possui experiência em empresas como Eletrobras, Engevix, Intelbras, Grupo Rocket Internet. Incluem-se experiências na Europa e China. Atualmente é COO do Grupo Lógica-e detentora das marcas CIANOVE e LEsense – coleta de dados IoT.

Logo acate manufatura menor

Comentários

 


Artigos Relacionados

A união que só traz melhorias: A Internet das Coisas e os Processamentos em tempo real
Artigos

A união que só traz melhorias: A Internet das Coisas e os Processamentos em tempo real

Com o advento da 4ª Revolução Industrial, a necessidade dos processamentos em tempo real só vem aumentando, pois os dados gerados in loco e em grandes volumes precisam ser tratados o mais rápido...
Machine Learning: Conheça um pouco mais sobre o "aprendizado de máquina" e algumas de suas aplicações - Imagem: Internet
Artigos

Machine Learning: Conheça um pouco mais sobre o "aprendizado de máquina" e algumas de suas aplicações

Machine Learning é uma das tendências mais modernas da tecnologia. O Gartner, empresa de consultoria, colocou o aprendizado de máquina no topo do seu mais recente relatório chamado Ciclo de Hype...

Publicidade »

Publicidade »


Indústria 4.0 - Inteligência industrial e a digitalização : 2018

Conectando Vendas, Engenharia e Fabricação.


Publicidade »

Publicidade »