Inovação e Processos

Exoesqueleto protege suas costas em tempo real

O equipamento promete minimizar problemas de dores nas costas dos trabalhadores que precisam lidar com carregamento de peso ou movimentos repetitivos.
Por: Inovação Tecnológica       07/06/2019

Órtese para uma ergonomia perfeita

Uma equipe multidisciplinar do Instituto Fraunhofer, na Alemanha, criou um exoesqueleto que promete minimizar os problemas de dores nas costas de trabalhadores que precisam lidar com carregamento de peso ou movimentos repetitivos.

O equipamento funciona a bateria, realizando internamente todo o processamento. [Imagem: Fraunhofer IPK]
O equipamento funciona a bateria, realizando internamente todo o processamento. [Imagem: Fraunhofer IPK]

As dores nas costas, frequentemente incapacitantes, levando a faltas ao trabalho, afetam principalmente trabalhadores na área de logística, manufatura e serviços, onde os padrões de movimento fisicamente extenuantes fazem parte da rotina diária de trabalho.

Mais do que um EPI (Equipamento de Proteção Individual), o dispositivo é uma órtese, capaz de detectar os movimentos em tempo real e reagir a eles para manter a postura adequada.


Continua depois da publicidade


"A característica sem precedentes da nossa órtese robótica macia é a sua análise de movimento em tempo real. Algoritmos especialmente desenvolvidos baseados em aprendizagem de máquina e inteligência artificial permitem que a ergonomia seja analisada.

"Isto distingue esta órtese dos exoesqueletos disponíveis comercialmente, que tipicamente são robôs que, de acordo com os seus princípios funcionais, amplificam todos os tipos de movimentos - mesmo os não-ergonômicos - e apenas desviam a carga colocada no usuário de uma parte sobrecarregada do corpo para uma área menos exigida," explicou o professor Henning Schmidt, coordenador de desenvolvimento do equipamento, batizado de ErgoJack.

O exoesqueleto emite alertas quando o trabalhador adota posturas ou movimentos não ergonômicos. Unidades de medidas inerciais, embutidas no colete, comparam padrões de movimento pré-aprendidos com o movimento real do trabalhador e o avaliam em tempo real. Isso leva apenas algumas centenas de milissegundos. Os sensores de movimento miniaturizados estão localizados nos ombros, costas e coxas.

Os testes foram feitos em uma fábrica da Ford na Alemanha, e a equipe agora está tentando licenciar a tecnologia para um parceiro comercial.


Comentários

 


Notícias Relacionados

Indústria 4.0 pode gerar R$ 73 bilhões em economia no Brasil, mas carece de investimento e adesão dos industriais - Imagem: PixaBay
Mercado

Indústria 4.0 pode gerar R$ 73 bilhões em economia no Brasil, mas carece de investimento e adesão dos industriais

Mundialmente, a área que mais deverá receber investimentos dentro deste conceito em 2019 é a de manufatura aditiva
Fiat Chrysler começa projetos de machine learning e Indústria 4.0 em segunda fase de migração para nuvem - Imagem: Divulgação
Inovação e Processos

Fiat Chrysler começa projetos de machine learning e Indústria 4.0 em segunda fase de migração para nuvem

Após adotar soluções de produtividade e infraestrutura, a companhia avança com implementação de Big Data e inteligência artificial


Publicidade »

Publicidade »

Mais notícias

 

Newsletter

Assine e receba novidades sobre Indústria 4.0:

 

Publicidade »

Publicidade »