Publicidade »

Inovação e Processos

Realidade virtual ajuda a criar novos materiais

Simulações abrem caminho para compostos que facilitem a extração de petróleo na camada do pré-sal
Por: Jornal da USP       04/10/2018

A realidade virtual é uma ferramenta essencial para o desenvolvimento de novos materiais em pesquisas realizadas no Instituto de Física (IF) da USP. Simulações feitas em computador criam a possibilidade de percorrer o interior de um material e visualizar em escala nanométrica como suas moléculas se organizam. Entre as aplicações do sistema, está a criação de compostos para facilitar a extração de petróleo na camada do pré-sal.

“As simulações buscam entender como seria o comportamento dos materiais sob determinadas condições de interesse, como níveis específicos de temperatura e pressão”, conta o professor Caetano Rodrigues Miranda, do grupo Simulação Aplicada a Materiais: Propriedades Atomísticas (Sampa) do IF. “Tudo isso é feito do ponto de vista atomístico, simulando os materiais a partir de átomos e moléculas, e se nessa escala enormemente reduzida as simulações reproduzem as propriedades macroscópicas, para uso em aplicações.”


Continua depois da publicidade


Entre as aplicações que são pesquisadas com auxílio da realidade virtual estão materiais para baterias e células de combustível (que produzem energia a partir do hidrogênio e oxigênio). “Também são estudadas aplicações em infraestrutura, como novos tipos de cimento”, aponta Miranda. “Na indústria de petróleo e gás, as simulações auxiliam na criação de nanopartículas para controlar a interface entre a rocha, o óleo e a salmoura (água com sais) e melhorar a extração.”

 

“Água esperta”

O professor explica que nas camadas mais profundas do solo, abaixo do leito oceânico (pré-sal), o petróleo está impregnado nos poros das rochas, como a calcita, uma rocha sedimentar formada por esqueletos de animais que viveram há milhares de anos. “Durante a perfuração, a diferença de pressão faz com que o óleo percorra os poros da calcita e chegue à superfície”, relata. Com o tempo, porém, a diferença diminui e a extração fica mais difícil. “Assim, é feita uma injeção de salmoura para empurrar o óleo. Recentemente descobriu-se que reduzindo a salinidade havia um aumento da produção, entretanto os motivos não estão completamente entendidos. Portanto, entender e otimizar a composição da salmoura permitiria aumentar a produtividade da extração.”

Para estudar a interação entre a calcita (CaCO3) e a água com os sais cloreto de sódio (NaCl) e cloreto de cálcio (CaCl2), dentre outros íons, a estrutura molecular da rocha e dos compostos é reconstruída em computador. “O ambiente virtual é montado a partir da dinâmica molecular, ou seja, a partir da posição dos átomos e moléculas em função do tempo”, observa Miranda. Com o uso de óculos 3-D e controles manuais, os pesquisadores podem refazer o percurso da água pelos poros da calcita e outros sistemas. “Desse modo, é possível saber, por exemplo, se o poro é hidrofóbico ou hidrofílico, ou seja, se favorece a passagem da água ou não, e como os sais podem facilitar esse processo.”

De acordo com o professor, os avanços na parte computacional tornaram a realidade virtual mais acessível para as pesquisas. “A capacidade de processamento dos computadores aumentou, favorecendo a produção de ambientes virtuais, e ao mesmo tempo os óculos e controles já são largamente usados em jogos eletrônicos, com custo acessível”, destaca. “A percepção em escala nanométrica é mais difícil, pois ela foge do cotidiano. A importância da realidade virtual é oferecer uma experiência imersiva que favoreça a intuição dos cientistas.”

Sonificação das moléculas

Um dos experimentos com realidade virtual envolve a sonificação. “O grupo desenvolveu ferramentas computacionais que convertem os dados das propriedades e estruturas das moléculas em sons”, explica Miranda. “Para entender como os átomos de hidrogênio se combinam nas moléculas de água que ficam próximas à calcita, para cada tipo de ligação de hidrogênio foi atribuído o som de um instrumento musical, de modo que o ouvinte possa perceber a diferença”. Além de ampliar a percepção dos pesquisadores, a sonificação pode ser usada na composição musical e para divulgação científica.

Para estender os estudos aos engenheiros de petróleo, o grupo Sampa utiliza uma impressora 3-D e técnicas de microfluídica para reproduzir os poros das rochas. “As simulações em realidade virtual demonstram o comportamento dos elementos em escala atomística, enquanto as reproduções dos poros permitem verificar se esse comportamento se repete no reservatório de óleo”, diz o professor. “Em uma etapa mais avançada das pesquisas, serão desenvolvidos aditivos químicos que modifiquem a interação entre o óleo e a salmoura, melhorando a extração.”

Mais informações: e-mail cmiranda@if.usp.br, com o professor Caetano Rodrigues Miranda.


Comentários

 


Notícias Relacionados

USP e UFSCar pesquisam como a inteligência artificial pode otimizar o desenvolvimento de vidros - Imagem: Reinaldo Mizutani
Inovação e Processos

USP e UFSCar pesquisam como a inteligência artificial pode otimizar o desenvolvimento de vidros

Primeiros resultados obtidos pelos pesquisadores das duas instituições já foram publicados em uma das principais revistas da área de Engenharia de Materiais


Publicidade »

Publicidade »

Mais notícias

 

Newsletter

Assine e receba novidades sobre Indústria 4.0:

 

Publicidade »

Publicidade »