Mercado

Conheça as propostas da indústria para o próximo presidente da República

Medidas foram apresentadas pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) aos candidatos à Presidência
Por: Agência CNI de Notícias       27/09/2018

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) detalhou as medidas que não podem ficar fora do plano de governo do próximo presidente para aumentar a competitividade do país nos próximos quatro anos. As Propostas da Indústria para as Eleições 2018 foram elaboradas com base no Mapa Estratégico da Indústria 2018-2022 e entregues aos candidatos à Presidência da República. Conheça as proposições divididas em nove áreas: 

 

SEGURANÇA JURÍDICA

1. SEGURANÇA JURÍDICA E GOVERNANÇA: O PROBLEMA E A AGENDA
As relações entre os poderes têm agravado a insegurança jurídica e se transformado em um grave problema de governança. A insegurança aumenta os custos e paralisa investimentos. A CNI defende mais clareza e publicidade às normas e a limitação da ação dos Poderes às suas competências institucionais. Acesse aqui o estudo completo.


Continua depois da publicidade


2. SEGURANÇA JURÍDICA E GOVERNANÇA NA INFRAESTRUTURA
A ampliação dos investimentos em infraestrutura só virá com segurança jurídica e bons projetos. A CNI sugere o fortalecimento dos órgãos que estruturam e executam os projetos de infraestrutura e a adoção de arbitragem para a solução de conflitos em grandes obras. Mais informações no estudo completo.

 

EFICIÊNCIA DO ESTADO, GOVERNANÇA E DESBUROCRATIZAÇÃO

3. SEGURANÇA PÚBLICA: A IMPORTÂNCIA DA GOVERNANÇA
O custo da falta de segurança no país chega a R$ 365 bilhões em 2017 - 5,5% do PIB - e prejudica a competitividade de toda a economia brasileira. O aumento de roubo de cargas e dos gastos com segurança privada e seguro impactam diretamente no preço cobrado ao consumidor. 

4. O BRASIL NA OCDE: UM CAMINHO NATURAL
A entrada do Brasil na OCDE deve ser prioridade do novo governo, pois o processo de negociação com o grupo de países desenvolvidos deve acelerar as reformas estruturais, aperfeiçoar os regulamentos e a governança, abrindo caminho para a modernização institucional do país. 

5. SAÚDE SUPLEMENTAR: UMA AGENDA PARA MELHORES RESULTADOS
A escalada nos custos com planos de saúde se tornou uma ameaça crescente à manutenção de benefícios oferecidos por empresas. As empresas respondem por 66,7% dos planos oferecidos a 47,3 milhões de brasileiros. A CNI apresenta medidas para aprimorar gestão de planos e medidas de atenção à saúde de trabalhadores do setor. 

 
EDUCAÇÃO

6. EDUCAÇÃO: A BASE PARA A COMPETITIVIDADE
Apenas 11,1% dos alunos do ensino médio estão cursando educação profissional, e somente 15% da população entre 25 e 64 anos tem o ensino superior completo. A Digitalização e automação dos processos produtivos criam novos desafios para a educação brasileira. 

7. ENSINO DE ENGENHARIA: FORTALECIMENTO E MODERNIZAÇÃO
O Brasil possui 4,8 engenheiros para cada 10 mil habitantes. Países como Coreia, Rússia, Finlândia e Áustria têm mais de 20 para o mesmo universo. Com a corrida digital em curso, a melhoria do ensino de engenharias é fundamental para fortalecer a indústria e ampliar as condições de competitividade da economia brasileira. 

 

FINANCIAMENTO

8. FINANCIAMENTO PRIVADO DE LONGO PRAZO: UMA AGENDA PARA FORTALECER O MERCADO DE DEBÊNTURES
O mercado de debêntures responde por 4% do PIB no financiamento de longo prazo do setor produtivo. Com a queda dos juros, a inflação reduzida e estável e a menor remuneração dos títulos do Tesouro Nacional, há maior espaço para o desenvolvimento do mercado de títulos públicos. A CNI apresenta recomendações que podem ajudar nesse processo. Acesse aqui o estudo completo.

 

RECURSOS NATURAIS E MEIO AMBIENTE

9. LICENCIAMENTO AMBIENTAL: PROPOSTAS PARA A MODERNIZAÇÃO
O desafio é adequar o licenciamento ambiental às melhores práticas, de forma a eliminar disfunções que comprometem a qualidade do meio ambiente e geram obstáculos desnecessários ao funcionamento pleno da economia. A aprovação do projeto de lei que cria a Lei Geral do Licenciamento é uma das medidas recomendadas. Mais informações no estudo completo.

10. BIODIVERSIDADE: AS OPORTUNIDADES DO USO ECONÔMICO E SUSTENTÁVEL
20% do total de espécies do planeta encontradas em terra e água estão no Brasil. A CNI apresenta sugestões para enfrentar o desafio de transformar essa riqueza potencial em efetiva, como desenvolver linhas de financiamento, capacitar órgãos fiscalizadores, criar e fortalecer a marca Biodiversidade Brasileira. Leia mais.

11. MUDANÇAS CLIMÁTICAS: ESTRATÉGIAS PARA A INDÚSTRIA
A indústria vê a agenda de mudanças climáticas como oportunidade de desenvolvimento do país. A Confederação traz 15 recomendações em sete temas: governança, financiamento, competitividade, energia, tecnologia e inovação, florestas e adaptação às mudanças climáticas. 

12. ECONOMIA CIRCULAR: O USO EFICIENTE DOS RECURSOS
A economia circular pode minimizar problemas como superexploração de recursos naturais e descarte inadequado de resíduos. Ela promove mercado de produtos usados e de reparos, faz atualização tecnológica de produtos e reaproveitar por reciclagem. Entre as sugestões estão a eliminação da cumulatividade no sistema tributário e desenvolver políticas de compras públicas sustentáveis. Mais detalhes.

13. SEGURANÇA HÍDRICA: NOVO RISCO PARA A COMPETITIVIDADE
A falta de articulação institucional por problemas regulatórios e os investimentos baixos em manutenção em obras de infraestrutura hídrica e de saneamento básico aumentam o risco de ficar sem água. A CNI propõe um novo marco regulatório para o saneamento e a regulamentação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos por meio de lei, entre outras medidas. Acesse o estudo e saiba mais.

 

TRIBUTAÇÃO

14. MODERNIZAR A TRIBUTAÇÃO INDIRETA PARA GARANTIR A COMPETITIVIDADE DO BRASIL
O documento mostra que há caminhos possíveis para a superação dos desafios tributários. A proposta pragmática foca em três grandes distorções do sistema brasileiro: cumulatividade, complexidade no pagamento de tributos e a atraso na devolução de créditos tributários. 

15. TRIBUTAÇÃO DA RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS: O BRASIL PRECISA SE ADAPTAR ÀS NOVAS REGRAS GLOBAIS
A mudança na tributação da renda das empresas ajudará o Brasil a atrair mais investimentos. No estudo, a indústria propõe ao novo governo a adequação das regras do país aos padrões internacionais e a ampliação da rede de acordos contra bitributação. 

 16. TRIBUTAÇÃO SOBRE A IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS: MUDAR PARA UMA INDÚSTRIA COMPETITIVA
A crescente complementaridade entre indústria e serviços, para criar e agregar valor, requer que ambos estejam competitivos, para que possam se beneficiar um do outro. A CNI propõe sugestões de como eliminar distorções tributárias nas importações e serviços de serviços. Para mais informações acesse o estudo completo.

17. TRIBUTAÇÃO NO COMÉRCIO EXTERIOR: ISONOMIA PARA A COMPETITIVIDADE
É preciso reduzir e simplificar a carga tributária incidente sobre o comércio exterior no curto prazo, promovendo a desoneração de ICMS todas as exportações, a atualização da alíquota do Reintegra e o aprimoramento dos mecanismos para utilização de créditos tributários federais e estaduais provenientes de exportações. Confira mais informações.

 

RELAÇÕES DE TRABALHO

18. RELAÇÕES DE TRABALHO: CAMINHOS PARA CONTINUAR A AVANÇAR
Mesmo com a modernização da legislação em 2017, ainda existem lacunas que geram insegurança jurídica e excesso de burocracia. A CNI propõe outros avanços. Clique aqui e leia mais. 

19. MODERNIZAÇÃO PREVIDENCIÁRIA E DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO: AÇÕES PARA AVANÇAR
A reforma da Previdência não pode se restringir ao equilíbrio financeiro. Entre as recomendações estão a de possibilitar o acesso das empresas a informações sobre o empregado afastado. Acesse o estudo completo.

 

INFRAESTRUTURA

20. PRIVATIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA: O QUE FALTA FAZER?
A modernização da infraestrutura no Brasil demandará um esforço de duas décadas e investimentos pelo menos duas vezes maiores que os atuais R$ 132 bilhões, que correspondem a 2% do PIB nacional. A CNI defende que aportes de recursos da iniciativa privada na gestão da infraestrutura como alternativa para a retomada da competitividade dos produtos brasileiros. 

21. SISTEMA PORTUÁRIO: AVANÇOS, PROBLEMAS E AGENDA
Os investimentos das companhias docas atingiram o menor nível dos últimos 14 anos. Em 2017, só 26% da dotação orçamentária foi executada pelos portos públicos. Para a CNI, os portos brasileiros só atingirão padrões internacionais após privatização das companhias docas, estatais responsáveis pela gestão dos portos. 

 22. O TRANSPORTE MARÍTIMO DE CONTÊINERES E A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES
As dez maiores companhias transportadoras de cargas concentram 74% do mercado mundial, duas vezes mais que 20 anos atrás. A concentração das empresas, somada a políticas ultrapassadas e deficiências na regulação, elevam os custos do frete e diminuem a competitividade das exportações. Entre outras medidas, a CNI defende a intensificação da fiscalização dos navios que operam no tráfego de contêineres de longo curso. 

23. TRANSPORTE FERROVIÁRIO: COLOCANDO A COMPETITIVIDADE NOS TRILHOS
De acordo com estudo da CNI, 30% da extensão de trilhos ferroviários do país estão inutilizados e 23% estão sem condições operacionais. A CNI defende o aumento dos investimentos e alterações no modelo de concessão e nos contratos vigentes, de modo a enfrentar as deficiências regulatórias observadas e promover a concorrência. 

24. SANEAMENTO BÁSICO: UMA AGENDA REGULATÓRIA E INSTITUCIONAL
Brasil precisa aumentar em 62% os investimentos em saneamento para universalizar o serviço até 2033. Estudo da CNI revela que o serviço das companhias privadas tem mais qualidade que das públicas e que cada R$ 1 investido dá retorno de R$ 2,50 ao setor produtivo. A ampliação das redes vai melhorar a saúde da população. 

25. GRANDES OBRAS PARADAS: COMO ENFRENTAR O PROBLEMA
O Brasil possui 2.796 obras paralisadas, sendo 517 de infraestrutura. O estudo da CNI faz diagnóstico dos prejuízos causados pelas interrupções de empreendimentos que receberam investimentos de R$ 10,7 bilhões. Maior parte é da área de saneamento básico. A CNI recomenda seis medidas para que o país evite paralisações e atrasos. 

26. ENERGIA ELÉTRICA: CUSTOS E COMPETITIVIDADE
O sistema elétrico brasileiro precisa com urgência de mudanças regulatórias e normativas para que a energia elétrica volte a ser uma vantagem competitiva para a economia do país. A CNI defende mudanças como a redução de encargos setoriais e da duração dos contratos de energia que podem significar redução das tarifas a partir de 2020. 

 27. INSUMOS ENERGÉTICOS: CUSTOS E COMPETITIVIDADE
A falta de concorrência no mercado de combustíveis custa R$ 7,38 bilhões à indústria brasileira. O estudo da CNI propõe ao novo governo mudanças capazes de promover os investimentos, aumentar a oferta e reduzir os preços do gás natural, do óleo combustível e do GLP. 

28. GÁS NATURAL: MERCADO E COMPETITIVIDADE
Preço do gás natural do Brasil é três vezes maior do que o dos Estados Unidos. A falta de concorrência do mercado do combustível inibe o aumento do consumo e prejudica a competitividade da indústria. A CNI sugere adoção de regras capazes de aumentar a oferta e reduzir os custos do gás natural. 

29. TÉRMICAS NA BASE: A ESCOLHA INEVITÁVEL
O estudo sugere a inclusão das térmicas na base do sistema elétrico para garantir segurança no abastecimento e ajudar a reduzir os custos com energia. A CNI defende que os investimentos em termelétricas são decisivos para o futuro do setor elétrico brasileiro. 

30. TELECOMUNICAÇÕES: MODERNIZAÇÃO DO MARCO INSTITUCIONAL
Duas décadas depois de aprovada, a Lei Geral de Telecomunicações (LGT) tornou-se obsoleta em razão da revolução tecnológica que transformou o setor. A legislação precisa de mudanças com urgência, sob o risco de o segmento não receber investimentos suficientes para ações prioritárias, como a expansão da banda larga. A CNI defende que o atual modelo de concessão seja migrado para o de autorização para abrir espaço para novos investimentos. Outra medida sugerida é a privatização ou liquidação da Telebras. 

 

POLÍTICAS INDUSTRIAL, DE INOVAÇÃO E DE COMÉRCIO EXTERIOR

31. INOVAÇÃO: AGENDA DE POLÍTICAS
O Brasil ocupa a 69ª posição em 127 países no relatório do Índice Global de Inovação (2017). O Brasil precisa aprimorar o novo marco legal da Ciência, Tecnologia e Inovação e aumentar o volume de recursos federais destinados à CT&I, entre outras medidas. Acesse o estudo completo aqui.

32. INDÚSTRIA 4.0 E DIGITALIZAÇÃO DA ECONOMIA
O Brasil tem o desafio de incorporar as novas tecnologias e fazê-lo com rapidez para evitar que o gap de competitividade com nossos principais competidores aumente. Entre as medidas recomendadas pela CNI estão a ampliação e melhoria da infraestrutura de telecomunicação e a implantação de políticas ligadas à Indústria 4.0. Leia mais sobre esse tópico.

 33. COMPRAS GOVERNAMENTAIS E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO: A EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL E PROPOSTAS PARA O BRASIL
A CNI defende que as compras governamentais sejam utilizadas como instrumento de apoio ao desenvolvimento produtivo e tecnológico, como fazem os Estados Unidos e países da União Europeia. Para mais informações clique aqui.

34. PROPRIEDADE INTELECTUAL: UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL
O Brasil ainda demora mais de 10 anos para analisar uma solicitação de patente - para alguns setores, o tempo ultrapassa 13 anos. Se nada for feito, o país terá um estoque de 350 mil pedidos a espera de exame em 2029. Para a CNI, o avanço tecnológico depende de maior eficiência e rapidez no sistema de proteção ao conhecimento. 

35. ACORDOS COMERCIAIS: AS PRIORIDADES
Os parceiros com os quais o país possui acordos em vigor representam menos de 8% das importações mundiais. Esse número é inferior aos percentuais das economias desenvolvidas. A indústria considera a ampliação da rede de acordos comerciais um elemento-chave para a competitividade e elegeu como prioridade negociações com União Europeia, México, Estados Unidos e países da América do Sul e África. 

36. BARREIRAS COMERCIAIS E AOS INVESTIMENTOS: AÇÕES PARA ABRIR MERCADOS
A indústria brasileira é afetada diretamente por 16 tipos de obstáculos comerciais que podem ser acionados na OMC, sendo 12 não-tarifários e quatro tarifários. O Brasil poderia ter exportado 14% a mais em 2017, não fossem essas barreiras, o que significou US$ 30 bilhões a menos no valor total das exportações brasileiras no passado. Acesse o estudo completo.

37. INVESTIMENTOS BRASILEIROS NO EXTERIOR: SUPERANDO OS OBSTÁCULOS
O Brasil precisa de uma política consistente para o apoio ao investimento de suas empresas no exterior. Entre as recomendações estão aprimorar o regime de tributação, a legislação trabalhista e previdenciária, o financiamento e garantias e ampliar a rede de acordos de investimentos. Mais detalhes.

38. DEFESA COMERCIAL: UMA AGENDA PARA UM COMÉRCIO JUSTO
Entre 1995 e 2016, 60% das investigações de defesa comercial levaram à aplicação de medidas no Brasil, proporção menor que a verificada em outros países. O Sistema brasileiro precisa ser aperfeiçoado para reduzir a insegurança jurídica. Para mais informações clique aqui.

39. FINANCIAMENTO E GARANTIAS ÀS EXPORTAÇÕES: MAIS EFICÁCIA NO APOIO AO EXPORTADOR
A disponibilidade de financiamento e garantias às exportações é uma condição essencial para a competitividade de qualquer empresa no mercado internacional. É necessário também facilitar o acesso de pequenas e médias empresas às linhas oficiais. Pesquisa da FGV mostra que 67% das empresas exportadoras brasileiras não utilizam ou utilizam muito pouco os instrumentos de financiamento às exportações disponíveis. Leia o estudo completo.

40. FACILITAÇÃO E DESBUROCRATIZAÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO
No Brasil, são mais de 10 órgãos anuentes na exportação/importação de produtos e falta padronização na cobrança de impostos, taxas e contribuições. A burocracia alfandegário-aduaneira figura entre os principais entraves às exportações brasileiras. A CNI apresenta recomendações para desburocratizar. Confira o estudo completo aqui.

41. DOCUMENTOS ADUANEIROS: COMÉRCIO EXTERIOR SEM AMARRAS
A facilitação dos fluxos de comércio é essencial para a maior inserção do Brasil no comércio internacional e, consequentemente, para sua competitividade. A CNI apresenta sugestões para melhorar a eficiência e reduzir a burocracia. Para acessar o estudo completo clique aqui.

42. POLÍTICA INDUSTRIAL SETORIAL: CONCEITOS, CRITÉRIOS E IMPORTÂNCIA
O estudo, que apresenta sugestões para que o país tenha política industrial coerente com a vocação econômica do país e sustentável diante do quadro regulatório global, será divulgado ao final de 2018. 


Comentários

 


Notícias Relacionados

Brasil está entre os dez países que mais investem em inovação - Imagem: Reprodução
Inovação e Processos

Brasil está entre os dez países que mais investem em inovação

Indústrias devem estar atentas às mudanças no mercado. Sistema Fiep promove evento Jornada Digital para apoiar empresas do Paraná


Publicidade »

Publicidade »