Como garantir produtividade e segurança nas indústrias?

A chave para construir a fábrica do futuro está em transformar o analógico em um ecossistema digital de ponta a ponta.

Por: Rodrigo Cabral 02/06/2022

Cada vez mais a evolução da tecnologia ganha protagonismo junto às indústrias. Em tempos em que robôs, drones autônomos e diversos tipos de máquinas já são capazes de "pensar" por si mesmas, chegamos em um cenário industrial digital. Apesar da certeza de que ainda há muito a evoluir nessa jornada no Brasil, segundo a Sondagem Especial Indústria 4.0, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), 69% das indústrias brasileiras utilizam pelo menos uma tecnologia digital – prova de que existe avanço nesse sentido.

Mas com essa evolução tecnológica, uma preocupação crescente das indústrias é a segurança física e lógica. A falta de segurança pode interromper a produção e, portanto, afetar a rentabilidade, produtividade e competitividade. Assim, a chave para construir a fábrica do futuro está em transformar o analógico em um ecossistema digital de ponta a ponta para unificar voz, vídeo, dados e análises em uma única plataforma de comunicação.

Com esta migração, é possível aproveitar todo o potencial dos serviços de voz, dados, GPS, mensagens de texto, bluetooth, Wi-Fi e vídeo para uma coordenação em tempo real e uma gestão mais eficiente e egura do trabalho na indústria por meio da detecção, comunicação, análise e resposta às ocorrências dentro da planta.

Em uma fábrica, a detecção, a supervisão de pontos de acesso e o monitoramento externo e interno são fundamentais para manter um espaço seguro. A segurança por vídeo, quando integrada com inteligência artificial, proporciona melhor visibilidade do ambiente graças à tecnologia especializada utilizada, como câmeras de visão ampla e sensores múltiplos. O controle de acesso permite a gestão da entrada de veículos e pessoas por reconhecimento facial e de placas veiculares, além de alertas de listas de controle.


Continua depois da publicidade


Mas não basta simplesmente monitorar, é preciso ter a capacidade de analisar as informações que são geradas. As análises por vídeo, que detectam cada movimento em toda a instalação, ajudam a identificar atividades potencialmente suspeitas ou perigosas, chamando a atenção para áreas que podem ter movimentações fora do padrão, aumentando a eficiência e melhorando os tempos de resposta ao avaliar uma situação que poderia gerar um risco operacional ou de segurança. Os crachás também podem ser integrados a esta tecnologia para permitir que alguém seja encontrado rapidamente nas instalações em casos de emergência. 

Seja para uma sessão de rotina interna ou com uma equipe de resposta a emergências, uma comunicação clara e imediata é fundamental. Por isso é necessária comunicação em tempo real, com dispositivos confiáveis e economicamente acessíveis, integrando recursos diferenciais para garantir o fluxo de trabalho ininterrupto.

Outro importante benefício da tecnologia na linha de produção é resolver problemas rapidamente e reduzir o tempo de inatividade. A resposta a incidentes e/ou problemas dentro das fábricas pode ser realizada com maestria desde que haja preparo e disponibilidade das informações necessárias em tempo real. Por exemplo, quando um alarme é acionado na linha de montagem e requer a atenção dos operadores, um ecossistema tecnológico permite que o alerta seja enviado a tempo. Ou então, se uma máquina parar, o estado da máquina avariada pode ser reconhecido e são enviadas ordens de trabalho para atribuir tarefas à pessoa que pode resolver prontamente essa situação. 

A Indústria 4.0 precisa desta orquestração para respostas rápidas, ou mesmo proativas prevendo cenários que representam perigo aos trabalhadores ou a parada da linha de produção. Um projeto automatizado realmente gera valor para o negócio, habilita a inovação e garante o retorno sobre o investimento.  

A fábrica deve promover um ambiente de trabalho seguro, produtivo e eficiente e as tecnologias construídas para se adaptar à essas condições operacionais mais exigentes são ferramentas indispensáveis para que os líderes da indústria combinem inovações tecnológicas e tecnologia operacional e criem valor de formas revolucionárias.

*O conteúdo e a opinião expressa neste artigo não representam a opinião do Grupo CIMM e são de responsabilidade do autor.

Gostou? Então compartilhe:

Rodrigo Cabral

Rodrigo Cabral é especialista em inovação em segurança para empresas, Motorola Solutions