Fábrica Escondida: O potencial inexplorado que freia o crescimento das organizações

Investimento em metodologias como o TPM é uma opção para garantir maior competitividade e a continuidade nos negócios.

Por: Tatiana Tanikawa e Moisés Ramos 24/02/2022

O termo “Fábrica Escondida”, ou Fábrica Oculta, ficou conhecido no final dos anos de 1970 graças ao empresário e especialista em controle de qualidade, Armand Feigenbaum. Segundo ele, “a não utilização de métodos que evitassem o retrabalho e o desperdício de materiais reduzia drasticamente o potencial de produção”. Seguindo essa definição de Feigenbaum, é fácil entender porque muitas empresas desconhecem as reais perdas que existem durante o processo produtivo, justamente por não possuir uma metodologia eficiente para identificar esses desperdícios  e, consequentemente, não fazem uso pleno da sua capacidade instalada, surgindo assim a fábrica escondida. 

Neste cenário, um dos gargalos de produção e lucratividade das organizações é a falta de capacidade de implementar técnicas eficientes de manutenção industrial. De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), apenas 15% das empresas têm o objetivo de manter a capacidade produtiva com manutenção das máquinas, enquanto 11% pretendem introduzir novos produtos. Os dados revelam o tamanho do desafio que a indústria tem pela frente quando o assunto é manter máquinas e equipamentos em perfeita condição de uso. 

Mas onde há problema, também existem oportunidades. Para manter equipamentos funcionando de forma adequada e entregando o máximo de desempenho, as empresas devem investir em Manutenção Produtiva Total (ou Total Productive Maintenance - TPM), uma metodologia para identificar perdas, interrupções e garantir a qualidade contínua dos processos produtivos.  

TPM abraça a Indústria 4.0

Se o conceito alinhado com as tecnologias 4.0 tem como objetivo otimizar a produção, diminuir custos e potencializar os resultados da organização, a metodologia TPM se torna uma peça-chave para a Indústria 4.0, pois ela cria um senso de propriedade para os operadores, que passam a enxergar um maior valor com o processo e com a sua máquina, além de auxiliar na prevenção de falhas e paradas não programadas de equipamentos, eliminar desperdícios e aumentar a disponibilidade e o ciclo de vida de ativos.


Continua depois da publicidade


Nesta revolução 4.0, máquinas interligadas por meio de dispositivos de IoT fornecem dados aos operadores, que podem usar essas informações para implementar medidas a favor da conservação dos equipamentos. Sob o prisma de manufatura enxuta, a IoT permite, por exemplo, fazer manutenção preditiva ao identificar irregularidades ou anomalias na máquina com antecedência, aumentando assim, a confiabilidade e disponibilidade dos ativos.

Integração “Total” entre áreas

O primeiro passo para uma implementação bem-sucedida de uma estratégia de manutenção produtiva é enxergar para além da rotina dos operadores de máquinas. O “Total” do TPM refere-se a integração entre setores da empresa, isso porque envolve engenharia, segurança do trabalho, manutenção de máquinas e equipamentos, meio ambiente, qualidade, treinamento e lideranças. Essa integração permite aumentar a performance global dos ativos, identificar necessidades de melhorias no equipamento para evitar custos de manutenção, reduzir os riscos de acidentes, além de avaliar a capacitação de operadores, manutentores e áreas de apoio para melhorar a atuação dos equipamentos.

Segurança do trabalho

Não é somente nos casos de manutenção, mas também segurança operacional no dia a dia. Operadores precisam mitigar os riscos operacionais para terem um ambiente seguro. 

Em qualquer empresa e, sobretudo na indústria, garantir a segurança dos colaboradores é primordial. Quanto maior for a urgência da manutenção, maior é a probabilidade dos operadores correrem riscos desnecessários durante a reparação. Por isso, o método TPM também tem um pilar voltado para criação de um local de trabalho seguro e a integridade das pessoas é inegociável.  

Um ambiente seguro para as pessoas trabalharem, zero desperdícios, fim das interrupções não programadas e maior produtividade. Esses são alguns dos benefícios do TPM, que surge como uma resposta à demanda por maior eficiência dos processos produtivos. 

Na indústria 4.0, a metodologia pode otimizar cada etapa do processo produtivo, a fim de implementar estratégias eficientes de manutenção de ativos, aumentando a disponibilidade e o ciclo de vida dos ativos, melhorando a performance de produção, bem como os índices de qualidade e, principalmente, atingindo a meta de máxima eficiência. Esse é um cenário que está em curso e a tendência é que o TPM siga no caminho para a integração de todas as áreas das empresas. 

*O conteúdo e a opinião expressa neste artigo não representam a opinião do Grupo CIMM e são de responsabilidade do autor.

Gostou? Então compartilhe:

Tatiana Tanikawa e Moisés Ramos

Tatiana Tanikawa é Consultora de Negócios da Atech; Moisés Ramos é Consultor Lean e Coordenador de TPM na Embraer.